14 de dezembro de 2011

Consumir e ser consumido

A verdade minha gente é que se propagam dois desejos: consumir e ser consumido. O marketing, a propaganda e toda a lógica desta nossa sociedade espalham estes dois desejos.

Neste semestre estudei a casa brasileira ao longo da história em uma disciplina, e vi que a grande mudança das casas da elite paulistana do tempo colonial para o tempo da republica foi o consumo. As casas da elite paulista (elite do açúcar) eram chácaras, chácaras produtoras do alimento e outros produtos e além disso abastecia também o centro com alimentos. Já as casas da elite cafeeira eram casas consumidoras, para começar que era construídas com material de construção importados (isto mesmo, tijolos e telhas) e muitas vezes o próprio projeto era importado do França. E existia ao redor disto o consumo de moveis, cortinas, papel de parede, louças e mais uma infinidade de coisas e mais coisas...

Hoje consumimos tudo que há ao nosso redor...
" a diferença é que nossas casas são Centros de Consumo, enquanto as de nossas avós e bisavós eram Centros de Produção. Comida, roupas, energia, insumos, decoração, presentes e objetos de uso eram produzidos nas casas. Quase tudo o que a família precisava estava ao alcance das mãos - de habilidosas mãos - que não só produziam, mas também consertavam, mantinham e adaptavam a novos usos quando algo se tornava definitivamente irrecuperável.
 
Olhe para sua casa, de tudo o que vocês usam, qual é o percentual produzido por vocês? Quanto da comida, da energia, das roupas, dos ingredientes, das decorações é fruto de suas mãos? Como estas coisas entraram na sua casa? Como elas se tornaram parte de sua vida? Qual sua habilidade para mantê-las sem usar uma empregada, chamar um mecânico, comprar um substituto ou pagar por um serviço? (...) Atualmente, para obter os meios para ter uma casa e mantê-la equipada, sacrifica-se o lar. Horas e horas de trabalho exaustivo, empregos duplos, tráfego insano, filhos o dia inteiro longe dos pais. Para quê? Para obter o único meio atual de acesso a tudo que um dia nos foi natural: O Dinheiro. " daqui

Alem disso temos uma grande vontande tambpem de sermos consumido, o que move esta explosão das redes sociais? Porque divulgar nossos pensamento, ações e tudo mais exaustivamente, porque ansiamos tanto por um curtir em uma foto, vídeo, post, etc etc e etc


"Um fenômeno relacionado a esse é a transformação do verbo “curtir” (“like”, em inglês) que, graças ao Facebook, deixa de ser um estado de espírito e passa a ser um ato que desempenhamos com o mouse – deixa de ser um sentimento para virar uma opção de consumo. E curtir é, no geral, o substituto que a cultura comercial oferece para o ato de amar. (...)

Mas, se pensarmos nisso em termos humanos, e imaginarmos uma pessoa definida pela ansiedade desesperada de ser curtida, qual é o quadro que vemos? O de uma pessoa sem integridade, descentrada. Em casos mais patológicos, vemos um narcisista – alguém incapaz de tolerar em sua autoimagem as manchas que seriam representadas pela possibilidade de não ser curtida e que portanto busca uma fuga do contato humano ou se dedica a sacrifícios cada vez mais extremos da própria integridade com o intuito de ser curtida. 
Curtível. Se uma pessoa dedica sua existência a ser curtível, entretanto, e se adota qualquer máscara bacana que se mostre necessária para atingir tal fim, isso sugere alguém que perdeu a esperança de ser curtido por aquilo que realmente é. E, se formos bem sucedidos na tentativa de manipular os outros e fazê-los nos curtir, será difícil não sentir, em algum nível, um verdadeiro desprezo por tais pessoas, pois caíram no nosso embuste. A pessoa pode ficar deprimida, cair no alcoolismo ou, se estivermos falando de Donald Trump, concorrer à presidência (e depois desistir)."
daqui  

Eu sei que o texto esta longo, mas eu vinha pensando muito nisto tudo, estes dois textos me fizeram pensar em muitas coisas na minha vida, e ainda tenho muitas para mudar, mas hoje assisti o filme Amor por contrato e relembrei tudo isto, então fica a dica da reflexão e do filme...

Imagens: www.weheartit.com (um site fofo, mas que também espelha tudo isto de consumir e ser consumido, assim como o facebook, o twitter e o flickr....)

3 comentários:

  1. concordo e olha que edito consumo

    ResponderExcluir
  2. Também concordo e consumo. Parabéns pelo texto.

    ResponderExcluir
  3. mimy, ql o segundo texto que vc usou? a segunda citação...

    ResponderExcluir